UM Anel Livro do Mestre OCR

146 Pages • 68,330 Words • PDF • 85.5 MB
Uploaded at 2021-09-24 09:58

This document was submitted by our user and they confirm that they have the consent to share it. Assuming that you are writer or own the copyright of this document, report to us by using this DMCA report button.


A :

A

\

i

i



%

1

I

I *

A

K v

-

o >

r

it

a

a

UrnytNCL ^

'cxs rroxv ^

y

OL6KI do Llmiar do Crtrx>

- Ltvro do (Desrre RPG Fanlastico no Mundo de O Hobbit e O Senhor dos Aneis "

'

CReditos -

Titulo original : The One Ring: Adventures over the Edge of the Wild Escrito por Francesco Nepitello .

Projetado por Francesco Nepitello e Marco Maggi . ContribLocoes adicionais de Amado Angulo e Dominic McDowalTThomas . Agradecimentos especiais a Giacomo Marchi .

llustracbes de John Howe , Jon Hodgson e Tomasz J druszek .

^

Projeto grafico : Paul Bourne .

Desenvolvimento dalinha ( Cubicle 7 Entertainment ) : Dominic McDowall-Thomas . Desenvolvimento da linha (Sophisticated Games) : Francesco Nepitello .

Os editores originais agradecem aos inumeros jogadores da fase de testes , provenientes do mundo todo (lista completa na pag. 144) . Agradecimentos especiais a Angus Abranson , Roger Calver, Colin Chapman , Phil Cooke , Jon Hodgson e Robert Hyde . Francesco e Marco gostariam de agradecer a Joaquim Dorca , cujo telefonema chegou " por um curioso acaso , numa manha distante , na quietude do mundo ” , e a Roberto Di Meglio , nosso amigo e coconspirador. Para nao causar estranhamentos ao leitor brasileiro , todos os nomes proprios , termos e expressoes associados a Terra-media e as citaqoes que remetem a obra de J . R . R . Tolkien seguem o que foi estabelecido em O hobbit, O Senhor dos Aneis e As aventuras de Tom Bombadil , publicados no Brasil pela Martins/Martins Fontes. As traduqoes sao de Lenita Maria Rimoli Esteves , Almiro Pisetta, Ronald Eduard Kyrmse e William Lagos .

© Sophisticated Games Ltd 2011 © Cubicle 7 Entertainment Ltd 2011 .

Producao editorial e preparafao: Maria do Carmo Zanini .

© Devir Eivraria Ltda . 2012 , para a presente edicao .

Traduqao : Feandro Fima Rodrigues e MC Zanini .

The One Ring, Middle-earth , The Hobbit , The Lord of the Rings , personagens , objetos , acontecimentos e lugares aqui descritos sao marcas registradas ou nao registradas de The Saul Zaentz Company d/b/a Middle-earth Enterprises , utilizadas sob licenqa pela Sophisticated Games Etd e seus respectivos licenciados .

Diagramaqao : Tino Chagas Revisao de provas : Douglas Quinta Reis

Dedicado a Anita , que nasceu quando O UM ANEI foi descoberto. Francesco Nepitello . Veneza , 24 de maio de 2011 .

=

>

0

f)

SOPHISTICATED

GAMES

-

/niPPLE EARTH

DEVIR EIVRARIA LTDA

Brasil Rua Teodureto Souto , 624

Cambuci , Sao Paulo - SP 01539-000

Fone : (11 ) 2127 8787

Fax : (11 ) 2127 8759 E mail: [email protected] devir. com . br

Portugal Polo Industrial Brejos de Carreteiros Armaze'

m 4, Escritorio 2

Olhos de Agua 2950-554 Palmela -

C U B I C L E

El S E V E N

6uir

DEVIR LIVRARIA

Dados Internacionais de Catalogafao na Pubhcafao ( C1P) ( Camara Brasileira do Livro , SP, Brasil)

Nepitello , Francesco

O Um Anel: aventuras ate'm do limiar do Ermo / Francesco Nepitello ; [ tradufao Leandro Lima Rodrigues e M . C . Zanini] . - Sao Paulo : Devir. 2012 .

Titulo original: The One Ring: adventures over the edge of the Wild .

Fone : 212 139 440

Varios ilustradores .

Fax : 212 139 449

1 . Jogos de aventura 2 . logos de fantasia 1 . Titulo

E-mail:

[email protected] pt

Visite nosso site , www. devir.com . br Codigo Devir : DEVCB 71000 e DEVCB 71100 (ed . colecionador) ISBN : 978-85-7532-513-1 e 978-85-7532-530-8 ( ed . col.) 1 a ediqao : 2012 '

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/2/1998. E proibida a reproducao total ou parcial , por quaisquer meios existentes ou que venham a ser criados no futuro , sem aulorizacao previa e por escrito da Devir Eivraria .

CDD-793.93

12-10177

Indices para catalogo sistematico : 1 . Jogos de aventura : Recreafao 2 . Jogos de fantasia: Recrea ao 3 . " Roleplayinggames ” : Recrea ao

^

^

793.93 793.93 793.93

r

SUrtlARIO ' 5

PARTE 5: AVENTORA

O Mestre 0 que faz o Mestre ?

6 6

PARTE 2: FONCIONAMENTO DO JOGO

11

A campainha do pantano Fase em Aventura Primeira parte : Onde aguas ietidas se derramam Segunda parte : A estrada e longa e cansativa Terceira parte : Na margem do Rio Podre

PARTE 1: O PAPEL

DO

MESTRE

Pase em Aventura Como funciona a Fase em Aventura Estrutura

Dados Resolugao das aqoes Personagens do Mestre Como resolver os testes Distribuiqao dos pontos de Evolupao ) ornadas Mapa das Jornadas Combate Exemplo detalhado de combate Encontros

12 12 13 17

55

Estrelas e sombras Fontes de Corrupcao Consequencias da Corrupcao Adversaries Descripoes das criaturas

56 56 58 64 64 70

Aranhas da Flore sta das Trevas Trolls Lob os do Ermo Vampiros

PARTE 4: A

CAMPANHA

P cenario 1 nlroducao O conto dos anos Terras Ermas

Pianos de campanha Estrutura da campanha O Escurecimento da Floresta das Trevas Estrutura de “ O Escurecimento da Floresta das Trevas ” lnformapoes adicionais do cenario

Cronologia suplementar Novas aventuras

124 124 124 128 134 139

Conclusao

Indice

141

18 24 27 30 31 33 40 48 51

PARTE 3: A SOMBRA

Ores

123

INTRODOTORIA

-

If

75

^

78 81 84

87 88 88 89 97 109 109 110

\

>

}" k

t

\

t

111 116 118 119

3

A

%

'

v ks, A

AM

\

i >

*

Wfl

A Iff

\j

V

'

J «•

iSHflniHKiflaaaai w

-

M

z ~M

pm

rrr

w

-

0tfr/

>

_

^ ^mm y

PARCC;

pARte 1: O papeL do HlestRe

gist i

6£$*,

r22£i

W #>



jmi

v

^R »4 4 * » *

I

-

A

s que a brincadeira ja comece de maneira rapida e envolvente .

o

- mestRe -

• Escutar os jogadores:

Os jogadores irao reagir a cena apresentada . Talvez escolkam um novo objekvo para a comitiva ou relembrem qual e o objekvo atual . O Meske fara o papel das oukas pessoas presentes , com quern os jogadores irao interagir por meio de

Entao um menestrel e mestre na tradifao levantou se e pronunciou todos os nomes dos Senhores da Terra dos Cavaleiros , em ordem [ .. .] .

seus

0 LIVRO DO AVENTUREIRO mostra aos jogadores como criar seus personagens e fornece as regras basicas da brincadeira . Este livro se dirige ao Mestre da Tradifao , ou simplesmente o Mestre , a pessoa que conduzira o jogo . Oterece conselbos para que as sessoes sejam bem-sucedidas e traz mais detalkes a respeito da Terra-media e seus kabitantes , alem de apresentar as regras com uma pro fundidade maior. O LIVRO DO MESTRE amplia as informa cues contidas no LIVRO DO AVENTUREIRO e , portanto , recomenda-se que os Mestres leiam prxmeiro o LDA Se voce nao vac assumir o papel de Mestre , nao precxsa ler este livro e , decididamente , e bom nao ler o roteiro mtrodutorio “ A campainka do pantano ” , pois conkecer os segredos dessa aventura acabara estragando a diversao

O QOE FAZ O MESTRE?

personagens .

• Descrever as

consequencias das apbes dos

personagens dos jogadores : O Mestre responde as interafoes dos personagens dos jogadores com as outras pessoas , pede que joguem os dados para resolver as tarefas ou testes necessarios e descreve os resultados das a oes propostas pelos jogadores .

^

• Descrever os acontecimentos previstos no enredo:

O Mestre inkoduz na aventura os elementos do enredo a medida que se fazem necessarios . Podem ser desencadeados pelas a oes dos personagens dos jogadores por exemplo , o confronto com um ladrao talvez o induza arevelar inforinacbes que irao conduzir os personagens dos jogadores a proxuna etapa da aventura ou por uma cronologia de fatos por exemplo , o Meske decide que os ores atacarao o povoado onde os personagens dos jogadores estao kospedados pouco depois da meianoite da terceira noite .



O papel do Mestre e mais complicado que o dos jogado res Eles controlam seus respeckvos personagens , mas o Mestre e responsavel por todo o universo do jogo : a descricao dos lugares , as afoes das pessoas , as criaturas confrontadas e a sequencia de acontecimentos da aventura . Cabe ao Mestre apresentar os fundamentos do RPG aos jogadores novatos . Ele ira orgamzar e supervisionar todas as sessoes de jogo , tera de se alternar nas kpipoes de narrador e arbitro imparcial e , o tempo todo , sera o mterprete dos numerosos personagens que os jogadores irao encontrar . ¬

^





Dai o episodio seguira adiante , usando uma combinacao dos kes ultimos passos , ate que venka a ser resolvido . Ou seja, talvez os personagens dos jogadores empreendam uma jornada logo em seguida , ou entao o Meske talvez fafa passar rapidamente um intervalo de tempo em que nao acontecera muita coisa ou que nao oferecera aos personagens dos jogadores oportunidades reais e significakvas de agir. Essas duas possibilidades ocorrem no tempo narrakvo (pag. 19 do LIVRO DO AVENTU REIRO ) . Ou seja , cobre-se rapidamente um certo intervalo de tempo, sem que seja necessario representar em jogo cada a ao ou cada kora de cada dia .

Na prakca, durante uma sessao de jogo , as fimpoes do Mestre serao mais oumenos estas :

¬

• Montar a ccna:

No ira'cio da sessao , o Mestre faz um resumo do que aconleceu na sessao anterior, depois descreve onde os personagens estao e o que acontece ao redor deles . E recomendavel essa parte oferecer logo de cara alguns eskinulos a acao , paragarankr

^

Quando um novo episodio se inicia, o Meske volta ao primeiro passo da lista anterior e o tempo volta a correr normalmente . 6

diretor de teatro ou cinema, pois ele vai escolker e combinar os elementos fundamentals do “ palco ” onde os per sonagens irao atuar na proxima sessao . Ao selecionar os lugares onde a apao ocorrera e determinar a natureza do problema que os personagens irao se esfor ar para resol ver, incluxdos ax as personalidades e os oponentes que tentarao atrapalka-los ( ou ajuda-los) , o Mestre fornecera aos jogadores os contornos rudimentares de um enredo pronto para se transformar, por meio das apoes dos per sonagens , numa narrakva plenamente desenvolvida .

O MESTRE DA TERRA-MED1A

¬

E possxvel que a tarefa mais importante do Mestre seja agir como intermediario entre os jogadores e a Terramedia. Acertar o “ tom ” da Terra-media e essencial para dar aos jogadores a sensapao de que seus personagens irao participar da sequencia de acontecimentos ao final da Terceira Era . Muitos jogadores provavelmente conkecerao esse cenario tao querido e , portanto , e importan te que o Mestre tenka uma certa familiaridade com as

^

¬

¬

fontes originais .

O Meske tern de ser um diretor flexivel e estar preparado para acompankar a improvisapao dos jogadores quando eles tomam um caminko inesperado . Os Meskes que criam seus enredos ao redor de uma serie de fatos imprecisos e que podem ser abordados de varias maneiras diferentes saberao melkor como lidar com as linkas tangenciais que os jogadores muitas vezes seguem . A ulkma coisa que um Meske deve fazer e limitar exageradamente os jogadores , para obriga-los a se encaixar na manexra como ele acka que o jogo deve prosseguxr E preciso que os jogadores sintam que seus personagens podem tentar qualquer coisa, por maxs xnfimas que sejam suas ckances de sucesso .

Alem de ajudar a criar uma autenkca experiencia terramediana , reler os livros de Tolkien fara o Mestre relembrar muitos detalkezinkos que podem servir de semente para o enredo de uma aventura. Ao decidir quern assumira o papel de Mestre , o mais sensato e escolker a pessoa que conkece mais a fundo o universo tolkieniano , pots nada e capaz de estragar uma boa sessao de jogo tanto quanto o jogador que queskona o conkecimento do Mestre em relapao as fontes .

Pode parecer um panorama assustador a princxpxo , mas ser o Mestre e' uma tarefa imensamente grakficante , pois permite ao entusiasta tolkxeniano experimentar de verdade o universo da Terra-media , da mesma maneira que seu criador fazia : arkculando todos os elementos do cenario para produzir suas proprxas kistorias epicas .

As QOALIDADES

DE DM

¬

Consiskncia O Meske e um bom diretor quando consegue crxar uma experiencia narrativa consistente a parkr de um grande numero de elementos , entre eles os membros de uma comxkva, seus objekvos e ambicoes , os lugares que visitam e as pessoas que enconkam . O melkor e nao planejar com antecedencia os mxnimos detalkes , e sim deixar o enredo se desenvolver naturalmente , uma sessao apos a outra . Na verdade , e maxs facil e provavelmente mais sensato preparar cada sessao como se fosse uma Ease em Aventura a parte . Usando o esbo o do enredo como fxo condutor, cada sessao nova vax se baseando nas coxx

BOM MESTRE

Lima das caracteristicas mats saborosas dos RPGs e a colaboracao criakva entre o Mestre e os jogadores , mas tambem e verdade que o Mestre tern muito mats afazeres que os demais parkcipantes . Cabe a ele estabelecer a atmosfera e o tom do jogo , descrever o que esta aconte-





cendo e ajudar os jogadores a resolver as apoes de seus personagens . Este kvro tern como objetivo fornecer aos Mestres as regras e os conselkos de que ele precisara para conduzxr sessoes bemsucedxdas e saborosas de

^

sequencias das anteriores .

O UM AMEC .

r

O Mestre como Arbitro

Pode-se dividir os deveres do Mestre em tres papeis : diretor, arbxko e narrador

Os RPGs sao formados por regras combxnadas a uma se rie de convenpoes socxaxs e narratxvas . Essas convenpoes dxferenciam os RPGs dos jogos tradxcionaxs de tabxxleiro e cartas ( que sao defxnxdos exclusivamexxte por suas re gras) , mas os mecanxsmos de jogo fundamentals usados para regular a maioria das sxtuapoes enkentadas pelos

¬

O Mestre como Diretor

¬

Quando o Mestre prepara a Ease em Aventura para o grupo de jogadores , sua funcao se assemelka a de um 7

i xy

\

^

personagens dos jogadores exigem a presenqa de um moderador imparcial : o Mestre . 0 Mestre tem de estar sempre preparado para decidir como as regras serao aplicadas , seja ao colocar a prova 0 valor dos personagens durante a Fase em Aventura ou ao ajudar os jogadores a determinar o resultado de suas decisoes durante a Fase em Sociedade .

problemas de conduta entre os jogadores tambem podem ser resolvidos pelo Mestre . Todos os participantes querem se divertir, mas , as vezes , a ideia de diversao de uma pessoa pode prejudicar o prazer de outra . Poden'amos ter um jogador que agisse de maneira contraria aos interesses da comitiva, ou um jogador que tentasse questionar a interpreta ao que o Mestre da a Terramedia . Na maioria dos casos , uma conversa discreta e amigavel no canto para explicar o problema ja resolve as coisas , prmapalmente se o problema for apontado sem demora e com educaqao . Os

^

1mparcialidade

Ao agir como arbitro , o Mestre deve se esfor ar para ser jus to e aplicar as regras com propriedade e imparcialidade . A ideia das tarefas e oferecer aos jogadores um desafio . As regras que as regem existem para julgar se um personagem esta ou nao a altura da prova , recompens a l o com o sucesso se estiver ou puni-lo com as consequencias do fracasso se nao estiver O Mestre parcial pode estragar o jogo facilmente , pois uma decisao injusta ao aplicar uma regra chama a atencao dos joga¬ dores para as regras propriamente dilas , e a imersao se desfaz .

^

^

¬

^

O Mestre como Narrador Boa parte dafunqao do Mestre se resume abancar o nar rador e usar palavras para representar o que acontece com o grupo de Kerois . Ele sera os olhos e ouvidos dos jogadores , a principal fonte das informaqoes que irao alimentar a imagina ao coletiva do grupo . Por sorte , o Mestre nao estara sozinho nessa tarefa , pois o grupo inteiro provavelmente conhecera um pouco as fontes , e o Mestre podera recorrer a varias imagens e detalhes com os quais os jogadores ja estao familiarxzados : muitas ve zes , algumas palavras bem escolhidas ja bastam para apresentar um retrato vivido do que esta acontecendo , pois a situaqao fara os jogadores relembrar alguma cena

¬

^

¬

dos livros .

Criatividade Uma imaginaqao agil e fertil e' uma qualidade de grande valor para o Mestre , prmcipalmente quando associada a uma boa capacidade de comunicaqao As describes evocativas concentram a atenqao de todos os jogadores e estimulam a interafao , e a capacidade de embutir as reaqoes e os pianos dos jogadores na aventura em andamento tera como resultado jogos saborosissimos e de

grande complexidade

CANONE TOLKIENIANO Fla muitos anos os fas das obras literarias de J R . R Tolkien discutem a existencia de um canone consis tente que definiria com firtneza o mundo e a historia da Terra-media , descritos em O hobbit , O Senhor dos Aneis e em publica oes posferiores Costuma-se citar esse fato como uma das grandes barreiras para os RPGs ambientados na Terra-media , pois e muito provavel que as aventuras dos personagens venham a “ mterferir ” nas aqoes dos protagonistas conhecidos da saga e a “ desfazer ” a consistencia do canone .

^

Por outro lado , o Mestre nao deve permitir que as regras estraguem a diversao . Isso geralmente acontece de duas maneiras . A primeira e o uso excessivo das regras . Obrigar os jogadores a lan ar os dados a cada a ao que seus personagens tentarem e uma coisa ckata e tambem tira um pouco da dramaticidade dos testes c|ue realmente im portant . Em segundo lugar, estruturar uma aventura de tal modo que as descobertas ou realizafoes mais cruciais dependam do resultado de uma unica jogada e frustra ao na cert a . Deve sempre existir uma outra ma neira de seguir adiante .

^

A

Uma resposta facil e rapida a essas preocupa oes poderia ser que “ nao existe um canone tolkieniano ” , mas e' mteressante explorar um pouco mais o assunto , pois um Mestre pode aprender muita coisa ao atacar esse obsta

^

¬

culo aparentemente intransponivel .

8

gmm p

FONTES SoBJETIVAS Ao enfrentar o dilema de alterar os fatos considerados parte do canone, o Mestre poderia atribuir as informagoes fornecidas por Tolkien em suas historias nao a um narrador onisciente e infalivel , e sim a testemunhas de uma epoca , individuos que estao sujeitos a equtvocos e vieses pessoais ( por exemplo , O hobbit narra as me~ morias de Bilbo Bolseiro ) . Esse truque literario foi muito util quando Tolkien tentou criar uma “ historia antiga ” verossimil que nao deixasse de fora as inevitaveis inconsistencias decorrentes do fato de que teria sido composta por varios cromstas , e nao ha motivo para um Mestre nao fazer a mesma coisa , principalmente se precisar al terar uma data “ estabelecida ” ou os detalhes por tras de um “ fato ” ou “ personagem historico ” conhecido . ¬

Para se ter uma ideia de quanto o ponto de vista de quern escreve e capaz de distorcer percepgoes , e possivel mente os fatos , nao e preciso procurar muito longe : por exemplo , o leitor de O Senhor dos Aneis talvez ache dificil conciliar a imagem que se faz de Gimli , o formidavel guerreiro de Erebor, de machado em punho , e os companheiros anoes de Bilbo , que , capturados por trolls , ores, aranhas e elfos da floresta , na maioria das vezes acabavam resgatados pelo ladrao hobbit , o proprio Bilbo .. . -

LACUNAS

A

PARrc

neste modulo e um exemplo disso : as Terras Ermas sao apresentadas em O hobbit , mas depois deixam praticamente de ser mencionadas quando a narrativa avanca ate a epoca de Erodo . Armado com seu conhecimento dos romances e respaldado pelas inumeras sugestoes e observagoes encontradas nos apendices , o Mestre tera tudo de que precisa para criar um cenario empolgante para suas proprias crdnicas .

TUDO GIRA

EM

TORNO DOS PERSONAGENS

Uma outra opiniao interessante arespeito do canone vem do proprio autor. Tolkien sem diivida era muito protetor em relagao a suas criagoes , mas enfatizou varias vezes que , no fim das contas , o que ele lutava para preservar eram aintegridade dos personagens e suas motivagoes , mais do que as tramas ou outros pormenores . Aplicando-se esse ponto de vista a uma cronica do RPG 0 UM ANEL , provavelmente nao estariamos muito errados se dissessemos que o jogo ira se manter fiel a suas fontes hterarias se o Mestre der a devida atengao a maneira como tratara os personagens canonicos e se os jogadores se esforgarem para criar e mterpretar herois plausiveis .

POR ULTIMO,

MAS NAO

MENOS IMPORTANTE...

Visto hoje , o volume das publicagoes de Tolkien relacionadas a Terra-media da a impressao de formar um corpus consistente e vmutavel . Mas , em vida , o autor reescrevia e rearranjava constantemente seu material , chegando ate' mesmo a alterar de maneira substancial as publicagoes nas edigoes revisadas . Essas alteragoes as vezes tmham a intengao de corrigir inconsistencias , mas , em geral, foram mtroduzidas para dar conta de mudangas posteriores no enredo Portanto , e possivel supor que nem mesmo Tolkien via sua obra limitada por uma especie de canone e que ate' mesmo as cronologias que ele criou com tanto cuidado deveriam ser consideradas , na melhor das hipoteses , provisorias .

PREENCWER

Tolkien criou uma trama narrativa de riqueza macreditavel, formada por personagens verossimeis em contraste com uma paisagem vivida e impelidos por motivagoes muito bem assentadas na mitologia e na tradigao Mas non mesmo uma cronica assim tao extensa e intricada consegue explorar completamente todos os cantos remotos desse mundo e periodo imagmarios . Longe disso A tnedida que a narrativa nos livros passa a enfocar uma regiao apos outra , muilos lugares e os acontecunentos a eles relacionados ficam no ar ou sao mencionados apenas de passagem .

A luz dessas

Essa abordagem tenta dar um ponto de vista subjetivo aos protagonistas dos contos , que nao conhecem todos os cantos da Terra-media, e da ao Mestre a liberdade de criar suas proprias historias O cenario fornecido

consideragoes , encorajamos todos os no vos Mestres a nao se deixar mtimidar e seguir adiante , acrescentando sua propria hnha narrativa a trama e'pica e maravilhosa do professor Tolkien .

9

¬

P»\RT;O

WM

I

2

^

IT"

& r.

«

S

/i

-

ft

iV

i

H

\

inMsifla3asnaassisnKOiiiis»ainia 3»»a 3aaij( ia39« 39an

»sr

*

-

i

J

X2f ,

I V

/

-

r

*

/

;

K

»*

*

»

ft v

\ .

X

.

feitos do ladrao hobbit quc ah passou algum tempo , ou preocupar dernais em torna-la realxnente “ epica ’ logo de entao uma jogada de Investigaqao talvez revele uma cara - no seu devido tempo , tudo pelo que o heroi passou rima hobbit rabiscada no canto escuro de uma parede . ganhara facilmente grande importancia , princxpalmeixte quando em contraste com o tema transversal do jogo o conflito com a Sombra Pode-se manter a simplicidade O QOE? das aventuras , principalmente nos primeiros anos da Do que trata a aventura ? Essa pergunta prahcamente cronologia , para deixar os jogadores desfrutar a expedefine a alma da Ease em Aventura e resume as inforriencia de descobrir a Terra-media Por exemplo , basta maqoes que o Mestre apresentara aos jogadores no iniescolher um oponente digno ou um lugar mteressante cto da primeira sessao de jogo . E ai, o que esta acontedos capitulos "Adversaries ” ou “ Terras Ermas ” , e Mestre cendo ? llm tesouro foi roubado recentemente e agora o e jogadores terao material suficiente para manter o jogo antigo dono esta a procura de alguem para recuperaem andamento no decorrer de vanas sessoes lo ; uma personalidade importante que o grupo deveria encontrar foi sequestrada ou morta por uma ameaqa Reviravoltas desconhecida; os aventureiros chegam a uma vila horas antes de os immigos a sitiarem, e agora os herois nao De vez em quando , o Mestre talvez quexra complicar as tern como sair Qualquer situaqao que coloque os herois coxsas acrescentando uma ou duas reviravoltas a um no lugar certo e na hora certa em um momento de crise enredo ate entao simples . Os jogadores terao de encon trar uma maneira de “ solucionar ” a aventura , em vez sera um bom ponto de partida . de simplesmente aguentar ou superar uma sene de diPode ser que o Mestre ache produtivo comeqar a Fase em ficuldades . Em alguns casos , a Ease em Aventura pode Aventura com um desafio duelo , algo que eshmule os termmar sem fornecer uma resposta clara , o que abre a personagens dos jogadores a agir ja desde o comedo Ai, possibilidade de se investigar mais a fundo a questao na como ja explicamos na apresentaqao deste capitulo , o Ease em Sociedade subsequente ou durante a Fase em Mestre nem sequer precisara planejar uma serie xnteira Aventura segumte . de acontecimentos , pois os jogadores acabarao Ihe oferecendo material farto em cima do qual improvisar no FOR QOE? decorrer do jogo : quando os personagens superaremum obstaculo , suas aqoes fornecerao ao Mestre algumas Por que os herois deveriam se envolver na aventura para ideias para o desafio segumte , dando a ele a liberdade comeqo de conversa? Flaveria algo capaz de despertar de que precisa para manter o enredo o mats mdefimdo seu interesse pessoah Essa pergunta remete diretamente possfvel , de modo que cadapasso dependa do resultado aos motivos pelos quais os personagens que formam o grupo decidiram se tornar aventureiros : os herois daquele que o precedeu enfrentam perigos que outros individuos normalmente tentariam evitar, em geral porque tern algum interesse Simplicidade os motiva a fazer isso . A propria ideia de O objettvo de uma Ease em Aventura nao precisa neces- pessoal que se aventurar oferece uma resposta simples a pergunta , sariamente estar ligado aumfeito epico outratar de uma atenqao quais “ boameaqa que coloca o mundo inteiro em perigo pelo mas o Mestre deve considerar com ” toes motivacionais , quando acionados , prenderiam a menos nao todas as vezes . Em O UM ANEL , chega-se a atenqao dos jogadores com mais facilidade . uma campanha epica com a representaqao de inximeros fatos menores que so irao revelar sua grande importan- Nas primeiras sessoes de jogo , talvez seja util pensar cia quando forem entretecidos . O Mestre pode compor nas vocapoes que os jogadores escolheram para seus sua propria recriaqao do Ocaso da Terceira Era sem se herois , ou ate mesmo nos aspectos que os distinguem .

¬

,

f



15

9KI

Quando todos os herois ja tiverem um certo numero de registros em seu “ Conto dos Anos ” pessoal, no verso da ficha de personagem , o Mestre vera que sera mais facil dar a eles razoes pessoais para se envolverem na Fase em Aventura . Com o andamento do jogo , os proprios jogadores come arao a explorar os objetivos e as vocafbes individuals de seus personagens e pode ser que acabem sugermdo aventuras personalizadas que tenham esses fatores como eixo

^

QOEM? Tolkien povoou suas historias com mumeros perso nagens memoraveis , e o Mestre tera de fazer a mesma coisa para que uma aventura tenha exito . Uma ou mais personalidades conkiecidas terao destaque na historia ? A aventura apresentara um novo personagem recorrente aos herois ? As personalidades controladas pelo Mestre sao um elemento fundamental de qualquer jogo , pois seus atos e suas palavras dao vida a aventura .

¬

o grupo , e uma maneira facil de transformar um indivf duo conhecido num elemento recorrente na carreira de aventuras dos personagens , o patrono nao deve ser re duzido a um simples recurso de jogo , e sim entremeado na narrativa como um fator operante .

~

As describes de Beorn e Radagast a partir da pag. 112 content varias sugestoes de como introduzir esses perso nagens importantes no jogo como patronos . Mas e bom o Mestre tomar cuidado , pois usar o mesmo patrono para apresentar rapidamente a missao a ser cumprida na Fase em Aventura pode se transformar facilmente num cliche . ¬

APRESENTACAO Para simplificar um pouco as coisas , digamos que toda Fase em Aventura tenha uma estrutura parecida .

Introclu ao

^

Os feitos de um personagem renomado podem ser uma grande mspiracao para o jogador a procura de um exemplo do que significa viver na Terra-media Nao ha nada como encontrar um de seus herois prediletos para ajudar a mtegrar os herbis-jogadores a trama epica da

No comedo da primeira sessao de jogo , o Mestre apresenta a situaqao ao grupo de jogadores . Isso geralmente estabelece a data ( Quando ) e um local ( Onde) , define uma stluacao introdutoria ( O que ) , que inclui as informa oes disponiveis aos herois no momento e content ganchos para envolver pessoalmente na historia a comi tiva de aventureiros ( Por que ) , alem de ajudados a escoIher o objetivo de sua comitiva .

campanha , pois isso aprofunda seu envolvimento fatos presenciados pelos personagens .

O Jogo

Exemplos de Conduta

^

nos

mesmo que tenham de salva-lo ( uma reviravolta a que o proprio Tolkien costumava recorrer) .

A sessao se desenrola com os jogadores reagmdo a introducao e tomando medidas para mvestigar e resolver os desafios que se apresentam diante deles . Durante a sessao , o Mestre e responsavel por todos os elementos danarrafao que nao dependem diretamente dos heroisjogadores e de suas escolhas Os jogadores tern controle total sobre o que seus personagem farao e como o farao , mas o Mestre inlerpreta o sucesso das afoes deles e como cada parte do mundo os personagens do Mes tre , as criaturas e o ambiente reagira a isso .

Patronos

Encerramento

Elenco de Apoio personagens do Mestre devem ser usados com moderafao e bom senso Os jogadores nao gostam de ver seus herois deixados em segundo piano diante de um personagem do Mestre poderoso . Para evitar esse risco , o Mestre poderia tentar o contrario : o personagem famoso e quern precisa da ajuda dos herois , pode ser ate' Os

Durante o jogo , os herois podem adotar uma ou mais personalidades importantes como patronos da comi tiva . Fonte de ganchos para historias e um apoio para ¬

16

— —

¬

Ao final da sessao de jogo , cada heroi recebe um ponto de Experiencia. Alem disso , se o grupo de herois tiver avancado de maneira significativa no sentido de cumprir

objekvo da comitiva, cada personagem recebera mais um ponto de Experiencia.

o

Se a Fase em Aventura nao ckegar a uma conclusao saksfatoria ao final da sessao , o jogo sera retomado numa outra data, com mais uma sessao da Fase em Aventura . Quando isso acontece , os jogadores passam a recuperar uma parte dos pontos de Esperanqa que usaram durante o jogo , recorrendo a parada de Sociedade da comitiva e ao Foco Social de cada heroi (se for o caso ) . Quando o grupo de jogadores voltar a se reunir, o Mestre comeqara a nova sessao resumindo o que aconteceu antes , e os jogadores irao escolher um novo objetivo para a Comitiva ( ou manterao o mesmo , caso nao o tenham alcanqado ao final da sessao anterior) .

Se , ao contrario , a Historia tiver chegado a conclusao , o Mestre encerrara a Fase em Aventura recompensando a comitiva com alguns pontos suplementares

de Experiencia. Em geral , esse bonus nao deve exceder a propor ao aproximada de um ponto de Experiencia a cada duas sessoes de jogo na Fase em Aventura ( por exemplo , uma aventura em quatro sessoes deve render um premio final de dois pontos suplementares) .

^

Esse ultimo bonus tern como intuito recompensar o grupo de jogadores por seu empenbo no jogo , prmcipalmente se tiverem realizado algo notavel . Certamente merecem o bonus os jogadores que resolveram uma si~ tua ao dificil de uma maneira inteligente e mesperada ou mterpretaram seus personagens com convicqao ou demonstraram o tempo todo respeito pelas fontes lite-

^

-

j arias

do jogo

.

Quando o Mestre defmir quantos pontos suplementares de Experiencia serao distribuidos , a Ease em Aventura finalmente estara terminada e o jogo prosseguira com a Fase em Sociedade ( ou entao a Fase em Sociedade comeqara no inicio da sessao seguinte , dependendo do

tempo

disponivel) .

17



- dados -

Ele e bravo e astuto . Agora mesmo esta fazendo um jogo com o perigo e ganhou

umajogada . regras do jogo compoem a estrutura usada para mterpretar as a oes dos personagens As regras ajudarn a ^ determinar o que o personagem e capaz de fazer, alem

As



de propiciar uma maneira de os temas do jogo Esperanca , Valor e Sabedoria mfluenciarem diretamente a Historia



As regras tambem sustentam o jogo , pois ajudarn o Mes tre a oferecer aos jogadores um ambiente verossimil , onde as aqoes tern exito ou fracassam por razoes compreensiveis , como o ravel de kabilidade dos personagens e a dificuldade daquilo que tentam fazer ; um mundo onde as escolkas que os jogadores fazem em nome de seus personagens tem consequencias reais . ¬

Eldar de maneira adequada com o sistema de jogo e absolutamente crucial para a criacao de uma sessao de RPG realmente cooperakva , e uma das maneiras de fazer isso e aplicar as regras com consistencia e juskija, resolver todas as duvidas a respeito da funqao do Mestre como a interface imparcial enke os jogadores e o mundo fickcio do jogo Como ja dissemos antes , nada eskaga tanto o pacto de verossundkanca e a imersao do jogador na brmcadeira do que a sensacao de que o deskno de seu personagem e ditado nao por suas proprias decisoes , e sim pelas escolkas do Meske . Mas isso nao significa que as regras tem de ser aplicadas a risca o tempo todo , custe o que custar. O sistema de O UM ANEL foi projetado para ser o mais flexivel possivel, para dar ao Meske e aos jogadores a liberdade de personaliza-lo e adapta-lo a seu proprio estilo de jogo . As regras existem para sustentar o jogo , e nao para limita-lo . Portanto , convidamos Meskes e jogadores a usar todos os mecanismos de sua preferencia, a manter aquilo de que gostam e mudar ou descartar aquilo de que nao gostam — apesar de provavelmente nao ser uma boa ideia fazer algo assim no meio de uma sessao de

XV

ft

jogo ou sem antes chegar a um acordo em relaqao ao que deve ser alterado . A apresentaqao do sistema em dois livros diferentes e um reflexo de que as regras nao sao da alqada exclusiva do Mestre , e sim um recurso xnestxmavel a ser dividido com todos os participantes .

RESOLOCAO DAS AQOES lima das obrxgaqoes tundamentais do " Mestre como ar bxtro ' e ajudar os jogadores a determmar o resultado

das aqoes de seus respectivos personagens , quer sejam resolvxdas como tarefas ou testes (pag 148 do LIVRO DO AVENTUREIRO) . A aqao e o principal meio disponivel ao jogador para mteragir com o universo ficcional em termos hidicos , e a manetra de o participante fazer uma “ jogada ” ou reagir a um desafio . Os niveis de habilidade dos personagens em cada tipo de aqao sao fatores importantes que distmguem um aventureiro de outro e fazem de cada um deles um membro valioso da comxhva .



Nem todas as aqoes precisam ser resolvxdas nos dados : deve-se permitir que os personagens tenham sucesso au-

lomatico ao tentar tarefas robneiras ou sem relevancxa dramatica , ou toda vcz que suas capactdades eliminarem o risco do fracasso . O uso comedrdo e ponderado dos dados ajuda a acelerar o jogo e refor a a confianqa dos jogadores naneutralidade do Mestre .

^

Consequentemente , as regras referentes aresoluqao das aqoes devem ser apbcadas quando o resultado de uma tarefa ou teste e incerto , ou quando nao basta saber se o personagem tera ou nao sucesso e tambem e necessario 'determinar a quabdade de seu desempenbo . Nesses casos , ha dois fatores que precisam ser determinados : a habilidade correta a se usar e o Nximero-Alvo que o jogador tera de igualar ou superar ao lartqar os dados .

ESCOLUA

DA

FERICIA CERTA

As vezes pode ser difxcil decxdxr qual das dezoito pericias comuns e a maxs relevante na jogada . Talvez seja mais

facxl xdenbficar prxmeiro qual grupo de periexas condiz melbor com a aqao . 18

—-

=

/ / . ,=3

*

Parece que seria melbor resolver a aqao recorrendo ao potencial do personagem nas areas personabdade , movimento , percepcao , sobrevivencia , costumes ou ocupaqao ? Por exemplo , o



personagem de Bruno — Ted , o ladrao

de Beiragua foi convidado a discursar para uma assembleia de anoes , tentando assegurar o auxdio deles num futuro ataque surpresa a uma fortaleza ore. O jogador nao sabe ao certo qual pencia usar e pergunta ao Mestre se deveria ser uma pencia de costumes ou personabdade . Claudio , o Mestre , decide que nao e bora para gracejos e define que uma pencia de personabdade sera usada .

ldenbficado o grupo de perxeias , o jogador em questao ou o Mestre escolbe a pencia do grupo que descreve melbor a aqao . Se a escolba ainda se mostrar dxfxcil, pense na maneira como o personagem esta tratando a aqao esta contando mais com seu Corpo , Coraqao ou Esperteza ? O

grupo da personabdade contem as pericias :

Assombro , Inspiracao e Persuasao , todas quase igualmente adequadas para reproduzir o discurso de Ted , o ladrao, diante do conselho de anoes . Depois de dar uma olhada rapida em sua ficha de personagem, Bruno decide que Ted tentara comover a plateia barbada com um apelo sincero para que selem uma alianqa . A pencia de personabdade relacionada ao Coracao e Inspiracao, e o Mestre concorda com a escolba .

DIFICOLDADE MOOERADA ( NA Vi ) O UM ANEL trata dos feitos de um grupo de heroxs . Por isso , as regras para aresoluqao das aqoes se concentram nos pontos fortes e fracos dos protagonxstas , deixando

de lado a necessidade de destacar cada pormenor das dificuldades que eles enfrentam Via de regra, a maiorxa das acoes tentadas durante uma sessao de jogo deve ter como padrao um nxvel de dxficxxldade moderado (NA 14) .

prodxxz um obstaculo desafiador Os herois nao tao talentosos geralmente terao de usar um

Esse xndice



&

*

1 .

aM ,

/ l

'

J 4

~

m j

I

•» , I 5 Vi ?•! >

*

A

-

% i

L

t?

5

v:

4

> > . cl

5k

rr &! ••

\•

if mi* %

I

Vi



v

IT

M Ano 2210 Thorin 1 , filKo de Thrain, muda-se com a casa real do Povo de Durin de Erebor para as Montankas Cinzentas . Pie leva a Pedra Arken consigo , como parte do tesouro real.

Ano 2M-60 Depois de se esconder durante quatro se'culos , o Senhor do Escuro regressa em segredo a Dol Guldur. Sua forea au

~

todas as criaturas malevolas pressentem seus pensamentos tenebrosos . O Anel escuta o chamado . mentou e

A Floresta das Trevas escurece outra vez, e coisas malignas sao

convocadas a voltar e entrar sorrateiramente na

mata Nas decadas seguintes, muitas pessoas decidem deixar a regiao e ir para o sul.

Ano 2 63

^

A pedido da Senkora Galadriel, forma-se um Conselko Branco dos Sabios e Poderosos para unir as formas do Oeste contra a Sombra. Saruman, o Branco , que ha tempos estudava o lnimigo e seus servos , e escolkido como Kder. 0 Rei Elfico do Norte da Eloresta das Trevas e convidado a participar, mas recusa

barrar todas das montanhas . e a

as

passagens para

as terras a oeste

Parareagir a ameaqa crescente que vem das montanhas , os homens da floresta que vivem nos vales da margem oeste erguem seu forte no Salao da Montanha sobre as fundacoes de uma fortificacao mais antiga.

E por volta deste ano que Deagol , um Hobbit grado , encontra o Um Anel ao nadar no Rio de Lis . A joia nao permanece muito tempo em seu poder, pois seu

Ano 2510

batalha, Eorl, o Jovem, Smeagol o mata para ficar com ela . Nos anos Eogo depois de uma grande senhor do povo dos cavalos do Norte, traz sua gente dos pegumtes , Smeagol se afasta de sua gente e acaba provales superiores do Anduin para viver como homens eurando refugio sob as Montanhas Sombrias . hvres nas plamcies de Calenardhon, no sul distante . Ele se torna o primeiro Rei da Terra dos Cavaleiros .

amigo

Ano 2 80

^

Cumprindo

ordens ermhdas por

seu

senhor em Dol

Guldur, os ores comeqam a se espalkar pelos lugares escuros do subterraneo das Montanhas Sombrias . Desde o Monte Gundabadno norte ate Moria no sul, eles comeqam a reforqar em segredo todos os seus redutos

1 >

as

Ano 2570 No fim do remado de Nam II, os anoes das Monta

¬

nhas Cmzentas comeqam a ser afhgidos por uma praga de dragoes Os anoes enfrentam uma guerra longa e terrivel.

;

V"

91

7' Ano 2589 Os dragoes do Ermo do Norte se espalham pelo sul para saquear os anoes . O Rei Dain 1 e seu segundo filho , Eror, sao mortos por um dragao-frio ao barrar os portoes de entrada de seu palacio .

Ano 2590

seguintes , torna-se a capital de um reino forte que se estende por toda parte , em dire ao ao Leste e ao Sul.

^

Ano 2740 Consternados com as formas cada vez maiores de anoes e komens do norte , muitos ores passam a atacar as regioes a oeste das Montankas Sombrias . Essa amefa parte principalmente de seu reduto no Monte Gram

Tkror, o fdho mais velho de Dain 1 e herdeiro do trono , r\ devolve a casa real a sua antiga sede em Erebor. A Pedra Ano 2747 Arken volta a seu lugar no Grande Salao de Tkrain , e com ela retorna uma boa parte do povo de Durin . Eles Na Batalka dos Campos Verdes , os Hobbits do Condado passam a mmerar e abrir txineis nas raizes da Monta enfrentam e derrotam um bando de ores do Monte nka , ampkando o remo subterraneo , erigindo saloes Gram Golfimbul , o rei dos ores , e morto por Bandobras imensos e oficmas amda maiores . Um outro grupo de Tuk , mats conkecido como o " Urratouro ” anoes e conduzido por Gror, irmao de Tkror e terceiro filko de Dam, para o leste : sob seu comando eles aca- Ano 2758 bam se estabelecendo nas Colmas de Ferro . Por volta dessa epoca , os povos selvagens do Leste Por volta dessa epoca , varxos clas de komens do norte marckam sobre seus mimxgos . No Norte , os exercitos de que viviam as margens do Rio Cor rente mudam-se para Valle se rexinem sob o estandarte do Rex Bladorthxn , mas , mais perto da Montanka Solitaria . Fazem amizade entre o fim de 2758 e os prxmexros meses de 2759 , ventos com a colonia ana de Erebor, atraidos pelas oportum- frios e implacaveis atxngem o Norte , cobrxndo a terra de dades oferecxdas pelo comercio prospero com as Coknas gelo e neve . Ckegou o Inverno Longo , e o Rex Bladortkxn de Ferro A cidade de Valle prospera e , nos cern anos morrera antes de ve-lo termxnar. Ele e sucedxdo por seu ¬

W s 3 k filho , o jovem Girion , que rechaqa os inimigos , mandando-os de volta as fronteiras orientais do reino . Em cinco meses , o Inverno Longo causa grande sofrimento e perdas atrozes a muitos povos . Gandalf , o Cinzento , intervem pessoalmente e socorre o povo do Condado .

Apos a batalha , as diversas Casas se separam , sem que tentem retomar Moria, e os anoes voltam a se espalhar aos quatro ventos . Dain Pe-de-Eerro regressa as Colin as de Ferro . Thrain e seu filho Thorin vagam pelo oeste e acabam se estabelecendo nas Montanhas Azuis , a noroeste dali .

Ano 28 1

^

Ano 2770

A avidez pelo ouro comeqa a se apoderar lentamente de Thrain . Ele resolve voltar a Erebor e convence Balin, Dwalin e alguns outros a deixar as Montanhas Azuis e acompanha-lo . Suas an da ncas os levam mais uma vez para alem das Montanhas Sombrias ate que , numa noite escura , Thrain desaparece na Eloresta das Trevas .

Certa noite , o dragao Smaug se lanqa sobre a Montanha Solitaria cuspindo fogo . Os anoes sao apanhados de surpresa, Frebor e saqueada e seus habilantes sao chacinados . Os guerreiros de Valle tambem sao destruidos , e seusenhor, Girion , e' morto . Thror, o Rei sob a Montanha , e seu filho Thrain escapam da carnificina usando um expediente secreto . Sao acompanhados no exflio por Thorin , o jovem filho de Thrain. O dragao faz dos saloes Ano 2850 subterraneos de Erebor seu covil e o tesouro dos anoes torna-se seu cabedal . Instalado na Montanha , Smaug Apos quase oitocentos anos , Gandalf , o Cinzento , entra comeqa a saquear as terras vizmhas , matando pessoas e novamente em Dol Guldur, agora em segredo . Dentro da fortaleza do mal, ele descobre que seus piores temores aramais de criacao , reduzmdo as cercanias aum deserto . Algum tempo depois , Valle e abandonada e comeqa a sao verdadeiros : o temido Necromante e de fato Sauron , o Senhor do Escuro . Antes de escapar do baluarte ne cair lentamente na rufna . gro , o mago encontra o herdeiro perdido de Dunn : agomzante , Thram confia ao mago um mapa e uma chave , Ano 2790 morrendo em seguida. Thror , o Rei dos Anoes no exfho , e capturado e morto em M on a pelo grande ore Azog . Em preparacao para uma Ano 2851 guerra de vmganqa , seu filho Thram convocaum grande exe'rcito de anoes . O Conselho Branco se reune em Valfenda para debater o que Gandalf , o Cinzento , descobriu em Dol Guldur Ele Ano 2793 insiste numa aqao contra o Senhor do Escuro , sugerindo um ataque a fortaleza. Saruman se opoe , afirmando 0 povo de Durin , reforqado pelas tropas enviadas pelas que o Conselho ainda nao esta preparado e que , por Gasas dos outros Pais dos anoes , comeqa uma guerra ora , e melhor nao incomodar Dol Guldur, pois ele teme longa e cruel com os ores das Montanhas Sombrias repercussoes amda piores ( nessa epoca , Saruman ja descobriu que o Um Anel for perdido nos Campos de Ano 2799 Lis e nao quer que nmguem interfira em suas tentativas A ultima batalha da Guerra entre os Ores e os Anoes e de encontra-lo ) . travada dranle do Portao Teste de Moria . Os anoes saem vitoriosos , e um entao muito jovem Dain Pe-de-Ferro se Ano 2890 distingue matando Azog sozinho Mas a vitoria tern um travo amargo : a guerra reduziu imensamente o numero No Condado , nasce Bilbo Bolseiro de Bolsao , filho de de ores que amda habitavam as montanhas , mas ao Bungo Bolseiro e BeladonaTuk . custo de uma quantidade assustadora de vidas ¬

93

i

m Ano 2900

Ano 2941

Apesar do perigo , muitos Homens e mulheres audazes voltam aos vales do Grande Rio vindos do Sul . Sao recebidos de braqos abertos por Radagast , o Castanho , para “ viver entre os bosques mais agradaveis dos vales e as margens do rio ” .

O mago Gandalf , Thorin Escudo de Carvalho e uma comitiva de treze anoes visitam Bilbo , o Elobbit, no Condado . Partem numa demanda para recuperar o tesouro do povo de Durin e livrar o Norte da amea a do

dragao de Erebor.

^

Gandalf

Ano 2911 Uma estaqao fria extremamente longa e severa comeqa em novembro . Relembrado dal em diante como o Inverno Mortal , seu abra o enregelante so libertaria o Norte do gelo e da neve cmco meses depois . Os rios e lagos congelam e os lobos brancos descem dos ermos gelados do

^

abandona temporariamente a expediqao para convencer o Conselho Branco a atacar Dol Guldur de maneira decisiva. Dessa vez , Saruman aprova a ideia e o conselho embarca nessa dificil empreitada . Mas Sauron se antecipa novamente as manobras de seus mimigos e deixa seu reduto: o Poder Escuro abandona a Floresta das Trevas .

Norte distante . Quando os ventos ( rios finalmente dao tregua , em marqo do ano segumte , os rios transbordam com o degelo e muitas terras sao mundadas . E mais ou menos nessa e'poca que os Pantanos Compridos se espalham , estendendo-se da Velha Estrada da Eloresta ate o Rio

da Floresta .

Uma serie de acontecimentos improvaveis leva a morte de Smaug e a destruiqao da Cidade do Lago . Dam das Cohnas de Eerro torna-se rei do restaurado Remo sob a Montanha, e anoes , homens e elfos colaboram para reconstruir as cidades em Valle e no Lago Comprido

Ano 2942

Ano 2931 Aragorn , filho de Arathorn , nasce em 1 ° de marqo . Ele e descendente direto de Isildur, o TILLIMO Alto Rei dos Elomens do Oeste . Dois anos depois , seu pai e morto durante uma cavalgada, enquanto ele e os filhos de Elrond Meio-Elfo se preparavam para atacar os ores do Monte Gram A mae , Gilraen , leva Aragorn para Valfenda , onde ele e acolhido por Elrond como filho de cria ao . Ele recebe o nome Estel (Esperanqa) e sua

^

linhagem e guardada em segredo

PASSAOO RECENTE [...] um bia che ou d porta be Bilbo o ranbe mago, Qanbalf , o Cinzento , e trexe anoesjunto com ele [...].

^

^

Os regislros a seguir relatam os acontecimentos relevantes que ocorreram nos liltimos cinco anos . Os registros nao grafados em italico sao de conhecimento comum para os personagens provenientes do Norte , pois as otimas noticias se espalharam por toda parte nas Terras Ermas . 94

Bilbo volta a sua vida pacata no Condado . Leva o Um Anel consigo , sem desconfiar de qual seria a verdadeira natureza da joia . Na volta para casa, as noticias sobre os grandes acontecimentos se espalham por toda parte . O Senhor do Escuro volta para Mordor Ele e recebido por seus servos mais poderosos , os nove Espectros do Anel , que se prepararam para o retorno de seu mestre e senhor em sua fortaleza, Mmas Morgul .

Ano 2943 0 Senhor da Cidade do Eago e vitimado pelo mal do dragao e vai embora , levando consigo boa parte do ouro que Bard havia the entregado para socorrer o povo do lago . Ajudado a prmcipio por alguns companheiros , mais tarde ele e abandonado e acaba morrendo de mamqao no Ermo .

Ano 2944 A cnatura Gollum deixa seu covil sob as montanhas e come a a procurar o ladrao do Anel. Algum tempo

^

m

Wi m

r

S

depois , ele entra na Floresta das Trevas e acaba chegando a Esgaroth e ate mesmo as ruas de Valle . E vigiado de

perto pelos elfos da

floresta

que se tornarem conkecidas (se ckegarem a ser descobertas) .

durante algum tempo .

Anos 2944-2945 Bard termina a reconstruqao de Valle e e coroado rei. Uma nova Cidade do Lago e terminada no Lago Comprido , o comercio pelo Rio Corrente e retomado . Beorn se estabelece como grande Kder a frente de seus novos seguidores , que logo ficarao conkecidos como

o dia em

beornings .

Nao ha ocorrencias importantes relatadas nos livros originals para os primeiros quatro anos e , portanto , varios fatos simples foram inventados para este jogo ( principalmente para facilitar a mtroducao de um novo grupo de herois na historia) . A ausencia de acontecimentos significakvos abre bastante espaqo para os novos personagens desenvolverem suas carreiras de aventureiros antes que ocorrencias mais importantes comecem a afetar suas vidas . Em 2951 , sao plantadas as primeiras sementes da Guerra do Anel e come a uma nova era para a Terra-media .

^

CONGREGACAO DAS SOMBRAS t2umamanha be outono, al uns ano$ bepoi$ , Bilbo estava ientabo no estubio, escrevenbo SUCLS tnctnorias [...].

^

Os verbetes a seguir descrevem fatos que dizem respeito as Terras Ermas entre 2945 e 2951 . Nesta seqao , nenhum registro e fornecido em italico , pois todos os acontecxmentos poderao ser usados pelo Mestre como ele ackar melhor. Por exemplo , cadaregrstro poderia ser ampliado para compor o enredo principal de uma Ease em Aventura , ou narrado aos jogadores como parte do Fim de Ano de uma Fase em Sociedade , ou empregado simplesmente como um elemento de fundo e descritivo . Algumas informacoes nao serao reveladas de modo algum aos jogadores e contmuarao em segredo ate

Ano 2946 A Reuniao dos Cinco Exercitos Nos ultimos dias de novembro , no qumto amversario da Batalka dos Cinco Exercitos , Valle dara pelaprimeira vez uma grande festa para comemorar a vitoria . Espera-se que pessoas de todas as terras vizinkas parkcipem das celebraqoes , pois a festa kn planejada de maneira a comcidir com os festivals locais que marcam o fim da colkeita e o comeqo dos meses mais frios do ano As

celebrates sao uma otima ocasiao para reurnr um

grupo de novos herois .

HflU*

*

'7 't

*

r

y



rr l

Mb

*

%

*

r"

02

4

W

f

t

fr

y

h

,

NS

O Conselho do Norte Durante aprimeiraReuniao , embaixadores da Cidade do Lago , do Reino da Floresta e do Reino sob a Montanha se encontram com o Rei Bard para

debater questoes que dizem respeito as Terras Ermas .

Os herois-jogadores talvez estejam presentes como representantes de seu

povo e pode ser atemesmo que venbam a se conhecer na Reuniao proprio

Ano 2947 Gollum procura o Um Anel . Mats ou menos nesta epoca , Gollum para de seguir o rastro de Bilbo acima das Montanhas Sombrias e da meia-volta . Ele se esconde na Floresta das Trevas , avarpando lentamente para o sul . Sua presenqa encke a mata de boatos terriveis e , entre os koinens da floresta , comeqa a se espalhar uma historia a respeito de um fantasma sedento de sangue que ataca os incautos .

Ano 2949 Gandalf e Balin Visitam Bilbo Gandalf e Balin viajam ate o Condado para visitar Bilbo Bolseiro Eles ckegam a Bolsao numa noite de outono Passam algum tempo juntos , falando de suas avenhiras e de como andam as coisas nas Terras Ermas . .

Pode ser que os herois que atravessem a Floresta das Trevas ou passem a Fase em Sociedade perto da mata vejam Gollum de relance .

Balinnao esconde suamquietaqao e tenta convencer seu bom amigo Bilbo a se juntar a ele numa nova aventura . Bilbo se mostra relutante e , no fim , recusa o convite

Ano 2948

Um heroi origmario do Condado talvez presencie

O Peregrino Cinzento

o

Tenaendo possiveis desaven as entre os Povos do Norte , Gandalf , o Cinzento , visita as cortes de elfos , komens e anoes . Ele cogita a possibilidade de convidar um dos soberanos a parlicipar do Conselho Branco . A opqao sera oferecida ao Rei Dam , ao Rei Elfico , Rei Bard ou Beorn . Gandalf vai avaliar suas op oes e apresentar o candidato ao lider do conselho , o mago Saruman .

^

^

Se os herois estiverem numa posi ao em que possam ser cogitados como conselheiros , Gandalf escutara o que

^

eles tern a dizer.

episodio .

Ano 2951 Sauron se Declara em Mordor Apos nove anos de preparaqao , Sauron revela sua presenqa na terra negra de Mordor. Esta pronto para espalhar seu poder por toda parte e comeqa a reconstruir sua Torre Escura . Esta decidido a reunir um vasto exercito na terra negra , e suas convocaqoes sao atendidas por todo tipo de criaturas perversas . Gollum e uma delas , e seu camvnho volta-se lentamente na direcao de Mordor

S>

s

%

7*

Nesta epoca, e possvvel que os personagens que tenkam pelo menos um ponto permanente de Sombra ou pontuafao de Sombra 3 tenkam pesadelos , principalmente com a terra negra , a construqao da Torre Escura ou o Olko Elamejante .

Os Mazgul Entram cm Dol Guldur Como seu primeiro ato de guerra , Sauron manda os Nazgul retomar sua fortaleza no Sul da Eloresta das Trevas . A ckegada dos Espectros do Anel provoca mais uma vez o Escurecimento da Eloresta das Trevas . Muitas pessoas no Norte passam a comentar em voz baixa os boatos de que ka uma nova Sombra no Sul . Encontram-se ores portando o simbolo de um Olko sem Palpebra .

O Retorno de Arwen Arwen , filka de Elrond , retorna a Valfenda para visitar o r depois temporada de lon uma a pai em Lorien . £ r or

'

A Partida de Aragorn No dia em que Aragorn se torna um komem adulto ( 12 de marqo ) , seu pai de criaqao , Elrond , conla-lke seu nome

verdadeiro e revela qual e sua linkagem . Das maos do Meio-Elfo , Aragorn recebe a heranqa de sua Casa: os fragmentos da espada Narsil e o anel de Barakir. No dia segumte , ele conhece Arwen e se apaixona por ela Ao descobrir quern ela e , Aragorn deixa Valfenda para se embrenhar no ermo . ,

TERRAS ERMAS

Esta secao content varios verbetes que detalkam diversos pontos de referenda do mapa do Mestre . As cidades de Valle e Esgarotk sao descritas mais minuciosamente , pois provavelmente serao escolkidas como base de operacoes da recem-formada comikva de aventureiros .

As TERRAS

AO

Cu6o o que flea ao T2orte be Rohan estd a ora para nos tdo histante que a ima inaqao pohe voar livremente.

^

^

O mapa das Terras Ermas a disposiqao dos jogadores mostra as regioes que ficam a leste das Montankas Sombrias ale o rio Rubragua . E uma area com aproxima-

damente 900 quilometros de leste a oeste e 750 quilometros de norte a sul Boa parte e lomada pela Eloresta das Trevas , e os moradores , se nao vivem dentro da inata , ao menos reivmdicam as terras ao redor ou muito per to dela .

DA

MONTANHA

Alguns dos reinos mais poderosos do Norte encontram-se na vizinkanqa do pico isolado conhecido como a Montanka Solitaria .

Valle Valle e uma cidade dos komens erigida na margem oeste do Rio Corrente . Ergue-se num vale entre os braqos meridionals da Montanka Solitaria , onde o rio ,

. ,

,

,

,

,

contorna a cidade , descrevendo um arco ampto antes , de retomar seu curso rumo ao sul . As lundaqoes de Valle foram lancadas pelos komens do Norte ka quase quatrocentos anos . i

Durante dois seculos , a cidade manteve uma akan a forte com os anoes do Remo sob a Montanha , enriqueceu

^

e prosperou , estendendo sua influencia na direqao leste ,

sobre as terras entre os rios Corrente e Rubragua Muitos reis passaram a coroa a seus kerdeiros ate a cidade ser destruida quando Smaug atacou o remo anao Valle foi uma ruina abandonada durante quase dois seculos , e seu poder era apenas um sonho rememorado em cantigas tristes entoadas na Cidade do Eago e povoados menores espalkados pelas margens do Rio Corrente . .

. L...J o que ouvi me parece ser, quase tuoo, contos oe velhas avos , como aqueles que contamos a nossas criancas. Valle fm retomada r

REOOR

em 2941 por Bard > descendente

do $ an[ lgos senkores da ctdade e matador do dragio , pols as not{cias desse grande feito atrairam muitos homens do oeste e do sul. Com a refundaqao do Remo sob a Montanha, a cidade vai readquirmdo seu ankgo esplendor , pois os produtos das maos kabilidosas dos anoes voltaram a

sair

do Portao Dianteiro de Erebor

para serem vendidos nos mercados de Valle , ao lado de

arkgos fabricados pelos artesaos locals e mercadorias estrangeiras que , submdo o rio , vem de barco da Cidade do Lago .

* 1 mm WM v w i

Nos ultimos quatro anos , a maior parte da restaurapao foi completada , inclusive a das muralhas providas de ameias e os campanarios , mas , com o florescimento do comercio e mais dinheiro circulando , obras de grande magnitude sao iniciadas todos os meses . Veem-se os pedreiros anoes trabalhar em toda parte , supervisionando a construpao de novas fontes , espelKos d ’ agua e pontes que ligam as margens das vias fluviais .

I i

Os artesaos anoes ocupamse de pavimentar as ruas , usando pedras de cores diferentes ( que acabam dando nomes as ruas ) . Os campos ao sul e oeste da Montanha voltam a abrigar lavouras , que fornecem alimentos para a populapao da cidade e , prmcipalmente , para a colonia ana no subterraneo de Erebor. Os agricultores ampliam seus campos todos os anos , aproximando-se cada vez

mais da grande Floresta das Trevas e dos trechos mais setentrionais dos Pantanos Compridos .

Palacio Real A residencia do Rei Bard e um palacio de pedra erigido pelos pedreiros anoes sob a direpao do proprio ReiDain . Visto de fora , i uma construpao imponente , com a Queda de Smaug representada em suas colunas de marmore e na fonte comemorativa . Por dentro , o palacio lembra um dos saloes subterraneos dos anoes , com janelas pequenas instaladas emnichos e lampadas de vidro que pendem do teto altfssimo . As duas grandes aberturas ao lado do enorme portao dianteiro estao posicionadas de maneira a receber a luz do sol tao logo o astro surja acima do brapo mais oriental da Montanka .

/\ V

4 *» i

mm A T

O trono do Rei Bard repousa sobre um tablado e foi presente do Rei Elfico : feito de madeira entalhada , suas gravuras intricadas contam como a Flecha Negra foi ° disparada . Ali , o Rei Bard mantem sua corte , recebe emissarios e mercadores importantes do sul e do leste e , quando the pedem ou exigem sua intercessao , aplica a ° ' ' iushca a seus vassalos e seguidores .

°

Mercado dos Brinquedos

Distrito do Portal do Corvo . . , , , Na curva noroeste do rio , bem perto da Montanha , , . . , . . , r muitas casas grandes , Lares dos seguidores Lears ticam . , „ , que Bard , o Arquerro , recompensou ricamente por terem , . , participado da Batatna dos Cmco Exercitos , e dos merca, , . . dores e artesaos que enrrqueceram com o comercio . O .. . . drstrrto e margeado por uma rua comprida , tomada Por casas estreitas e pavrmentada com paraleleprpedos francos , a Alameda Branca , onde e possrvel encontrar a maioria das oficinas dos artesdos da cidade . XI

_

Funcionando na prrmerra segunda e qumta-feira de cada mis , no mercado da cidade , a feira de brinquedos de Valle e um ponto de encontro ruidoso e pitoresco Quartel Real que atrai mercadores das Terras Ermas e alem . Ali, os _ ,, . , Os metnores nomens de armas entre os seguidores do Rei mestres artesaos dos anoes competent entre si para . . , . r Bard vao reguLarmente ao Quartel Real tremar os jovens vender os produtos de sua arte , belos brinquedos feitos . . . . . , , r da cidade e ajudar a restaurar a Lama dos guerrerros de de madeira e metal com propriedades quase magicas : , , „ ^ , r 1 VaLLe . Os Arqueiros Reals de umtormes ° pretos praticam passaros que cantam como se fossem os de verdade , , . . . . , . , . . all todos os dias , ansiosos peLa proxima ocasiao de mascaras anas que dao gargalhada ao se puxar um competir com os membros da Guilda dos Arqueiros cordao e cachimbos que produzem bolkas de sabao sao de Esgarotk . apenas alguns exemplos da enorme oferta de artigos que e possivel encontrarno mercado .

_

,

Erebor

O arkgo mars vendido desde a remaugurafdo do mercado e sem diivida a bala de estalo musical valleana, finamente ornamentada com draeloes entre° puxada de um lado e de outro , , quando lacados , que n 1

A M 0ntanka Solitaria. ficou conkecida. como o covil de „ , , ~ c bmaug, o Uragao , durante quase dors seculos . Hoje em ,, , dia , Erebor voLtou a ser o trono do Rei sob a Montanka , „ , , e a coLonia mais prospera do povo de Dunn ^E um pico , , isolado que se ergue a leste da ELoresta das Irevas e ao , , ,

' estala e revela em seu interior um mstrumento musical em mmiatura , mas perfeitamente funcional . Uma area r sul de suas vizinhas maiores , as Montannas Cmzentas . separada dedica-se a permosa arte de fabricar fo£os de r J L Montanha e tao alta que tica A coberta de ' . neve ate . . ° ariificio Ali, os interessados podem , comprar pes busca r , , J r meados da primavera e se estende por uma area vasta . ' bombinkas , fosforos coloridos , tochas , velas-de-anoes , r , , buas encostas se dividem em seis grandes contra fontes elficas , fogos-de-orcs e roioes . , . . , r , , eleva oes extensas e mgremes que descem ate as Lortes ° planicies ao sul e a oeste , e na direqao do Ermo e de suas Bairro dos Mercadores terras acidentadas ao norte e a leste . E a area da cidade de crescimento mais acelerado Ja tern um tamanko consideravel e varios edikcios As aguas do Rio Corrente brotam das raizes da grandes , usados para armazenar os produtos que serao Montanka , onde os dois contrafortes mais ao sul do despachados para a Cidade do Lago Eica proximo a pico se encontram num grande paredao Ali , o riacho principal saida para o sul, o Portao do Comercio, que corre celere , saindo do Portao Dianteiro da fortaleza dos leva as plataformas de embarque e desembarque , onde anoes e , em seguida , contornando Valle num arco vasto , as mercadorias sao carregadas nos barcos que descerao para depois finalmente se afastar da Montanha em seu o rio , e a Via dos Mercadores , a estrada que segue rumo percurso ate' o Lago Comprido sul ate' Esgarotk .

.

j



_

^

T MS*

f Depots da morte do dragao , os seguidores do Rei Date trataram de limpar todas as passagens de seu reino subterraneo , para livra-las do fedor da serpente , que tmpregrtava todos os cantos . Em seguida, come car am a cavar mats fundo , a abrir debaixo da terra ruas e saloes dignos de um reino rico e poderoso . Em apenas poucos anos , eles restauraram todos os niveis superiores de sua fortaleza e reabriram muitas passagens e tuneis tnferiores que o dragao havia bloqueado para defender seu tesouro .

I I

O Portao Dianteiro

i

A entrada principal para o Remo sob a MontanKa e um arco alto que se abre na face sul de Erebor. Rachado e enegrecido em muitos pontos a e'poca do dragao , o arco teve varios pedapos substituidos , e o mesmo aconteceu com as pedras que pavimentavam o cammho que levava ao interior da Montanha , pois etas acabaram lisas e escorregadias grapas ao atrito da passagem do grande monstro .

Os materials usados para restaurar o Portao Dianteiro foram obtidos de uma maneira bastante incomum : logo

M

apos sua coroapao , o Rei Dain ordenou que todos os andes que deixassem o Reino sob a Montanha a negocios retornassem no prazo de um ano trazendo marmore para a construpao , como tributo a seu reino recem-descoberto . O proprio Dain contribute, fornecendo um bloco grande de porfiro vermelho natural de seu lar nas Colinas de Eerro . O bloco foi cortado e transformado no novo lintel do portao . Agora que a ordem do rei foi revogada, entrar pelo Portao Dianteiro trazendo um pe~ dacinho de marmore como presente e considerado um steal de respeito . A Grande Camara de Thror 0 visitante que entrar pelo Portao Dianteiro para chegar ao salao de banquetes e conselhos de Erebor tera de seguir um canal estreito que leva a agua borbulhante do Rio Corrente . Recuperado , depots de tanta ruina e silencio , o grande salao esta mats magnifico do que antes , e seu teto alto mats uma vez ecoa as canpdes , os aplausos e os discursos do Rei sob a Montanha O trono do Ret Dam domina o salao , tendo ao fundo a grande tapa dourada de Thror , um imenso calice de duas alpas

DARI

#

+'ft/

Wrrwm v

ornamentado com passaros e flores esculpidos que tern pedras preciosas como olhos e petalas .

medo que o dragao causava , ate mesmo a vda amargem do lago teve de ser abandonada , e os homens do lago construtram novas casas na superficie do proprio Lago Comprido , esperando que as aguas geladas e profundas os salvassem do fogo . Assim nasceu a Cidade do Eago , pode ser cIue a siluacao tenka melkorado , pois os mente Nos dias de koje , a vasta fortaleza de Dol Guldur orcs s °freram baixas gravissimas na Batalka dos Cinco esta vazia e quieta , mas a pres eric a de seu ankgo mestre Exercitos . Talvez a estrada logo seja reaberta . e senkor ainda reverbera na escuridao de seus mumeros saloes e camaras . A vontade malevola do Necromante Reino da Floresta pesa sobre a area feito maldi ao , e sua mfluencia e ^ . . , A area da Floresta das Trevas “que fica ao norte do Rio perceptive! para qualquer um que tente se aproximar , . . . pelo , da Floresta e reivindicada , . Rei Elfico como seu dor da torre e para as criaturas que , a espera de um smal, , minio Numa outra era do mundo , o Rei Elfico mantmha - . amda se escondem na regiao sua corte na cokna de Amon Lane , onde koje fica a temivel fortaleza de Dol Guldur. Mas ckegou o dia em que Os Estreitos da Floresta o rei deixou seu remo para levar a guerra ao Inimigo a en e de uma koste poderosa e nunca mais voltou . EnAproximadamente 210 quilometros ao sul da Velka Eslutado seu fUho tomou-lke o lugar no trono e rekrou-se trada da Eloresta , a largura da mata dimmui ate ckegar ’ a menos de 150 quilometros no senkdo leste-oeste . Essa tom seu povo para o norte Quando , seculos depois , a “ cuitura ” afilada foi criada seculos akas por obra de po- doresta escureceu e ores e arankas se espalkaram sob derosos kornens do Norte que um dia viveram nas terras suas sombras , o Rei Elfico voltou a bater em retirada , ena oeste da mata selvagem . O grande recorte na fronteira contrando refugio numbaluarte subterraneo , nao muito oriental da Floresta das Trevas e tudo o que resta de seu onSe d° lado oriental da Eloresta das Trevas . reino . Eles o criaram derrubando muitas arvores para Nos dias de hoje , seus suditos kabitam vales florestais construir suas casas e abrir espa o para os pastos . formados por faias e carvalkos antigos , as tnargens do ^ Varios cammkos abertos pelos elfos da floresta costu- rio que parte das Montankas Cmzentas , ao norte , e enka nos Pantanos Compridos , no leste Ali, eles vivem em tnavam akavessar toda a extensao dos Eskeitos da Elo resta , e outros povos passaram a usar essas vias quando casas e cabanas conskuidas sobre o solo da floresta e tambem no alto dos galkos das arvores o Rei Elfico abandonou a regiao . Nos dias de koje , mui tos kornens da floresta sabem onde essas trilkas comeOs Saloes do Rei Elfico atn , mas ninguem sabe se levam a algum lugar ou se ^simplesmenle desaparecem onde a mata e mais escura Protegida por magia e por grandes portas de pedra , a As historias contain que esses caminhos sao assombra- fortaleza subterranea dos elfos da floresta e palacio e dos por especkos florestais , almas penadas de hoinens tesouraria para seu rei , um refugio para seu povo e uma

-

,

i

|

1

j

i

j

^ ^

^

¬

¬

108

.

,

_

£•i &

m

*m

prisao para scus inimigos . Os saloes foram construfdos tentarao cbegar com seus atos . Todas essas perguntas dentro de um sistema de cavernas sob uma grande co- podem ser usadas para traqar um piano de campanha , lina e encerram muitos aposentos confortaveis e passa- um esbopo que ajudara os jogadores e o Mestre a transgens , entre eles a residencia real do Rei Thranduil. Um formar as sessoes de jogo do grupo numa narrativa conriacho subterraneo corre sob a colina no ponto onde sistente e abrangente . ficam as adegas do palacio , alem das masmorras profundas reservadas para aqueles que , por ordem do rei , ESTROTORA DA CAMPANHA devem ser mantidos prisioneiros . O piano de campanha e estruturado combinando-se elementos . Esses componentes fundamentals podem ser OOTRAS TERRAS discutidos por Mestre e jogadores para criar uma cam Versos antigos lembram que , ao sul das Terras Ermas , panha em sintonia com os gostos de todos , ou podem ser haviareinos de vinhedos ensolarados , cidades de pedra escolhidos so pelo Mestre , para criar surpresa ou acresemonarcas soberbos . Hoje em dia , amaioria dessas ter centar um ar de misterio e deslumbramento ao jogo ras sao meros nomes dados a artigos exoticos vendidos por mercadores intrepidos , e e dificil separar as historias DA CAMPANHA trazidas por eles das coisas que inventam para vender OBJETIVO suas mercadorias . Ao norte estendem-se as Montanhas Qual e o objetivo da campanha ? Como seu desenvolviCmzentas, onde os anoes escavaram a terra durante mento vai afetar aTerra-mediae ahistoria desse mundo ? muito tempo , e o Urzal Seco , onde os dragoes de anti 0 objetivo de uma campanha e shoea as possiveis gamente se reproduziam Alem ficam os ermos gelados , mud a ncas que o jogo vai impor ao mundo , sugere o que envoltos embrumas frias e lendas tenebrosas . vai acontecer e o que os jogadores farao a respeito ¬

¬

-

A oeste estendem-se as Montanhas Sombrias , uma corddheira de picos agrestes mfestada de minas e tuneis de ores , com quase 1.200 qmlometros de norte a sul . A leste ficam planicies intermmaveis onde um povo selvagem vive e se reproduz , ate o dia em que um novo rei ou chefe aparepa para explorar seu odio e leva-lo mais uma vez a guerra com o Oeste .

- pianos de

campanha

LOCAL Onde e que a maior parte da apao vai acontecer ? As Terras Ermas formam uma regiao vasta que abrange cordilheiras agrestes , vales secretos , aldeias remotas e florestas profundas Os herois vao viajar bastante , sem nunca se deter muito tempo num mesmo lugar, ou vao escolher um local como base de operapoes e oterecer seus servipos ao soberano da regiao ?

Foco

Ao que parecia, Gandalf estivera num grande conselho dos magos brancos , mestres de tradi ao e boa magica, e que , por fim , haviam expulsado o Necromante de sua escura fortaleza, ao sul da Floresta das Trevas .

^

Ao pensar nos elementos que farao parte da cronica dos ultimos Grandes Anos da era que os jogadores vao vivenciar, o Mestre deve decidir que tipo de historia vai contar, quais lugares os personagens vao visitar e aonde

Existem varias razoes para um individuo partir em busca de aventura, e e provavel que cada heroi tenha a sua Mas como o Mestre ou os jogadores responderiam a pergunta : " Do que trata o seu jogo ? ’ Combater o Inimigo ? Explorapao ? Ou poktica ? Guerra ? Horror ? Toda boa historia combina muitos desses temas , mas um piano de campanha realmente efetivo deve levar em considera ao o leitmotif subjacente , um assunto recorrente que da ao jogo um " sabor caracteristico . O Mestre podera vollar ao foco da campanha quando precisar de

109

^

w- 'I •

inspiraqao , e os jogadores acharao mats facil determinar os objetivos dc seus personagens quando a narrativa tiver um tema mats consistente .

Quanto aos aliados , os livros

originals oferecem um amplo suprimento de individuos memoraveis a serem usados como personagens recorrentes , e este livro apresenta varios deles , traduzidos para os termos do jogo . Mas toda boa historia precisa de um vilao , e o COM1T1VA piano de campanha deve dedicar pelo menos algumas 0 piano de campanha da alguma razao particular para linhas a um ou mais personagens ou criaturas que os herois andarem juntos e terem o mesmo objetivo ? Tal- possam se destacar como os adversaries mais imporvez sejam todos parias , individuos ignorados por suas tantes da comitiva. comunidades . Ou seriam campeoes , escolhidos para combater a escuridao em nome de seus povos ? Ou salvadores dtscretos , dedicados a combater a Sombra sem o consolo do reconhecimento publico ?

o

escuRecimento

- 6* flORGSta das -

PERSONAGENS DO MESTRE partido dos personagens em sua luta ? E quern vat se opor a eles ? O elenco de personagens do Mestre e extremamente importante , pots sua compostqao , mats que qualquer outra cotsa , dara ao piano de campanha um ar de autenttcidade e stngulartdade Quern tomara o

tRevas

Sob os galhos da Floresta das Trevas havia contendas mortais entre elfos e homens e animais crueis . No ano de 2951 , Sauron manda os Espectros do Anel retomar a fortaleza escura de Dol Guldur, mats um capttulo do conflito entre a luz e a escuridao pelo controle da Floresta das Trevas . Nas decadas segutntes , Sauron consegutrta fazer de Dol Guldur o ponto de parttda de ataques em grande escala contra Lorien e o Remo da Floresta Apesar de , no fim das contas , os Povos Ftvres sairem vitortosos , muitos perderiam a vtda e as Terras Ermas sofrertam terrivelmente .

piano de campanha “ O escurecimento da Floresta das Trevas ” coloca os herois no meto dessa guerra iminente , ao lado daqueles que combatem a sombra que atnea a ^ engoltr a floresta e subjugar todos os que vtvem nas proximidades ou dentro dela . Os herois sao capazes de mudar o que ja fot escrito ? Consegutrao enfraquecer o poderto de Dol Guldur e proteger as pessoas que vivem na floresta ? Ou acabarao fracassando e complicando o O

T

proprio

110

destvno ?

m O ESCORECIMENTO FLORESTA DAS TREVAS

ESTROTORA

DE

4

LOCAL

DA

As informaqoes a seguir dao ao Mestre umponto de partida, uma serie de fundamentos narrativos a serem usados , modificados e ampliados pelo grupo quando o jogo comecar. Boa parte do conteudo deste capftulo e firuto de especulacao e podera ser usada da maneira como se apresenta, alterada ou ignorada como o Mestre achar melhor, para que se encaixe melkor na maneira como ele ve a coisa e para personalizar o cenario de acordo

com as escolkas dos

P,\RCC

>'

v

jogadores .

OBJETIVO DA CAMPANHA As Terras Ermas mudam de maneira dramatica nos anos que separam a kistoria contada em O Hobbit daqrnlo que se narra em O Senhor dos Aneis . Por exemplo , os komens da floresta sao descritos em O Hobbit como “ muitos . . . corajosos e bem armados ” , moravam em chacaras e vilas na floresta e tambem as margens do Gran de Rio ou no sope das Montankas Sombrias , mas mal sao mencionados em O Senhor dos Aneis .

Este piano gira principalmente em torno da Terra dos H omens da Floresta , enfocando seus povoados a leste do Grande Rio . Em varios aspectos , esse local e o cenario ideal para uma campanka , pois os livros originais deixam muito espaqo para alteraqoes e expansoes , dando grande liberdade aos jogadores ambiciosos .

informafoes a respeito da area apresentadas neste volume podem ser usadas para criar uma campanha com um toque humanocentrico e quase kistorico , no qual elfos e anoes (e Hobbits) serao usados para realcar o deslumbramento do cenario , com suas caracterfshcas sobrenaturais , sejam introduzidas pelo Mestre ou pelos personagens . Pode-se comparar a atmosfera assim cnada a dos primeiros capitulos de O hobbit ou O Senhor dos Aneis , nos quais o Condado proporciona um cenario familiar e quase comum que comeqa a ficar extraordinario e deslumbranle com a mtroducao de “ pessoas bizarras ” , como anoes , elfos ou “ magicos andarilhos As

¬

razoes a isso , mas uma explicaqao plausivel e que , como povo , os komens da floresta praticamente desapareceram com a ascensao do poder escuro que residia em Dol Guldur O proprio Radagast , um mago valoroso da tnesma ordem de Gandalf e Saruman , o Sabio , desempenka um papelmuito pequeno na Guerra do Anel e , por volta do fim de 3018 , os batedores de Valfenda que vao procura-lo em seu “ antigo lar ” em Rkosgobel nao o encontram em lugar algum .

E possfvel atribuir

varias

Pois entao , o que exatamente aconteceu ? A kistoria das Terras Ermas poderia ter sido diferente ? Este piano de campanka deixa ao grupo de jogo a tarefa de tentar responderaessas duasperguntas : o Mestre e os jogadores

enfrentarao o crescimento da Sombra na Floresta das Trevas , e o empenko de seus kerois podera ser a ckave que impedira o Senkor do Escuro de conseguir o que quer . Sua luta vai determinar o que acontecera antes do

Foco O foco da campanha esta nas mudanqas e revoluqoes que a guerra trara as Terras Ermas : qualquer que seja o resultado do conflito , as aqoes dos kerois vao afetar o deskno da terra e dar forma a sua kistoria Sao varios os assuntos que podem ser explorados numa campanka que tern a guerra como centro , e todos eles se encaixam muito bem no tema geral do jogo o Ocaso da Terceira Era , desde o significado de heroismo na obra de Tolkien (sacrificar-se pelo proximo ) ao da perda e desgaste do mundo ( as coisas passam e sao esquecidas , seja na vitoria ou na derrota ) .





COM1T1VA Uma comikva de aventureiros envolvida na guerra pela Floresta das Trevas pode ser formada por varios tipos diferentes de personagens , pois ter um lmmigo comum cria laqos fortes . A diferenqa esta na maneira como os compankeiros decidirao parkcipar do conflito Por exemplo , pode ser que se unam abertamenle aos homens da flo resta em sua luta pela sobrevivencia contra Dol Guldur, ¬

inicio da Guerra do Anel .

ill

S3

it

talvez ambicionando um dia tornarem-se lideres de um povo sem reis ; ou pode ser que escolham Radagast , o Castanho , como seu guia , e atuem como seus agentes e emissarios; ou entao eles poderiam nunca tomar partido e simplesmente atender ao chamado a aventura, enfrentando muitas vezes situacoes que , de um jeito ou de outro , farao com que participem do grande conflito .

PERSONAGENS DO MESTRE

II

No que diz respeito aos possiveis aliados da comitiva, os principals personagens do Mestre deste piano sao Beorn e Radagast , duas das figuras mats misteriosas criadas por Tolkien . O Mestre e os jogadores tem a oportunidade de resolver alguns dos enigmas por tras desses personagens , para os quais os livros originais nao oferecem resposta , como , por exemplo , qual era o encantamento de Beorn ou quando e como ele morreu , ou entao por , . que Radagast acabou nao se envolvendo pessoalmente „ na guerra contra Sauron .

Beorn e um homem enorme , de idade indefimvel, ca belos e barba pretos . De compleiqao robusta , bravos fortes e pernas musculosas , ele fala com um rosnado na voz quando se zanga e solta gargalHadas retumbantes quando se diverte com alguma coisa .

~

Encontro com Beorn Uma coisa que nao mudou desde a epoca em que Beorn vivia sozinho e que ele continua nao gostando de anoes c men (iigos a maneira desdenbosa como ele se refere a t d s os viajantes e raramente convtda estranhos a °° entrar em sua casa . Essa desconfianfa ( oi Itansmitida aos beornings em geral e , consequentemente , ninguem en*ra em suas terras sem ser questionado ou ate mesmo atneaqado ( abrem uma exce ao para os homens da flores a P IS nao os veem como forasteiros ) . ’



_



^

^ °

Nao adianta muito pedir para falar com Beorn , pois r esses pedidos costumam ser recusados logo de cara | ° por seja la quern for que receber os candidatos a uma audiencia , a nao ser que conven am essa pessoa de que O assunto e importante e tenbam como provar . E , mesmo se os berois conseguirem enconbar Beorn , nao sera facil arrancar alguma coisa dele : o metamorfo raramente se P^ocupa com o que os outros povos fazem e , portanto, nao es ara ititetessado em coisas que nao envolvem diretamente suas terras ou seus seguidores . Ele trata os fatos ocorndos em outras regibes , nfio importam suas dimensoes , como boatos vagos, e logo perdera o , . 1 j mteresse pelo , a nao ser tem a dizer que os aventureiros , , , , , 1 ' u . r que os berois ta am de tudo para entrete-lo .

^

BEORN homem 6e*cen6ente 60s homens viveram antes ue Smau ou primeiros tfue os outros hra oes viessem para esta parte 60 munho, - Outro5 bi'zem cjue e um

^

^

^

e antes cjue os ores viessem 60 norte e invahissem as colinos[...]. De < jual< juer forma, ele nao esta sob nenhum encantamento , a nao ser o seu proprio .

Beorn comecou a se firmar como Grande chefe apos a r * Batalba dos Cinco Exercitos , ao unir muitos bomens sob sua lei Ninguem sabe por que ele fez isso, e aparentemente ninguem consegue adivinhar quais seriam seus , , „ r . ptanos para o bituro Beorn boje parece tao satisteito como lider de um povo quanto parecia estar antigamenle , quando vivia isolado Seus seguidores obedecem a suas regras vagas por respeito ao lider, e um conselbo de cbefes o visita regularmente em sua casa para interpretar sua vontade e faze-la conhecer pelo resto da popula , , , , . , . , abandonarvoluntanamente a vida de aventuras e voltar , . , „ , a sua propria terra para passar os anos que the restam

^

empaz , ao lado das pessoas que ama Mas a luta contra a Sombra nao sabe o que e tregua e , quando um Heroi deixa o jogo , um outro tern de ocupar seu lugar. Poderia ser uma irma , um irmao , um primo cHegado ou distante , um filHo ou filHa que anseia seguir os passos de um progenitor aventureiro Poderia ser ate mesmo alguem nao aparentado ao Heroi-]ogador, simplesmente um mdividuo que se mspirou nos feitos

do aventureiro . QARREIRA DE

AVENTUREIRO

A ylda de aventureiro e uma empreitada dificil para os membros de qualquer cultura . Os anoes e os elfos podem viver muito mais que os Hobbits e os homens , mas ' sua capacidade de Hdar com os rigores da luta contra a Sombra nao e maior (lue a das outras ra?as '

.. . , , r , e raro o heroi que sobrevive aos diversos periDe tato gos que encontra conhnuar ahvo mats de duas decadas . Muitos so aguentam esse modo de vida extenuante du rante quinze ou vmte anos , no rnaximo , quando entao voltam para casa, para suas fanulias e as mumeras obri-

gaqoes que a comuradade espera que

um indivuluo tao

extraordinario cumpra .

119

_

Aposentadoria

Legado Heroico:

0 ritmo sugerido para uma campanha do RPG 0 UM ANEL e de quatro a seis sessoes para cada ano decorrido no

mundo ficticio do jogo . Isso da uma media aproximada de treze pontos de Experiencia para cada personagem , o suficiente para que alcancem a excelencia em mais ou menos quinze anos . Se chegartao longe com o corpo e o espirito intactos , o Heroi podera se considerar uma pessoa de muita sorte e cogitar seriamente se aposentar por livre e espontanea vontade .

Optando pela aposentadoria ,

o Heroi

garante que tera a chance de transmitir o maximo possivel de experi encia a quern porveniura tomar seu lugar, antes que um golpe preciso de espada acabe encerrando sua carreira ou que a tristeza e o arrependimento se instalem nas profundezas de sua alma ( consulte “ Legado Heroico ” , a seguir, com aleticao particular aos modificadores de legado) .

TOTAL DE

PONTOS EXPERIENCIA DE

DONOS DE

EXPERIENCIA

10 19

2

20 -39

4

40-59

6

60 -99

b

100- 159

10

160-249

12

250 +

14

¬

Legado Heroico Quando um Heroi morre , sucumbe a Sombra ou se aposenta da carreira de aventureiro , o jogador que o mterpreta tern de criar um novo personagem para tomar seu lugar. Quando isso acontece , o novo aventureiro comeqa o jogo com um certo niimero de pontos adicionais de Experiencia para representar o conHecimento e a expe riencia que o personagem anterior conseguiu transmitir ao Herdeiro ¬

Esse bonus e indicado na tabela “ Legado Heroico ” , a se guir , e baseia-se no niimero total de pontos de Experi encia que o Heroi acumulou ate o momento de seu falecitnenlo ou de sua aposentadoria , e e modificado pelas circunstancias exatas em que o heroi abandonou a vida ¬

¬

de aventuras .

• Quando um Heroi morre ou sucumbe a Sombra , subtraia do niimero de pontos de Experiencia transmitido ao Herdeiro o niimero de pontos permanentes de Sombra do Heroi que morreu ou tombou . Quando um heroi se aposenta de livre e espontanea vontade , o bonus do legado Heroico e aplicado sem modificadores .

Astrith e aventureira ha varios anos e e rnuito renomada como oponente implacavel da Sombra . Recentemente , tudo pelo que elaja passou comeqou a pesar sobre seus ombros . Ela recebeu um total de 112 pontos de Experiencia , mas adquiriu quatro pontos permanentes de Sombra . A jogadora que a mterpreta decide que Astrith se aposenta , volta para Valle e lega sua demanda a seu irmao cacula , Erling . Isso sigmfica que Erlmgtera 10 pontos adicionais de Experiencia para mvestir antes de pegara estrada . Se ajogadora que mterpreta Astrith decidisse contmuar jogando com essa personagem e a herotna morresse ou sucumbisse a Sombra , Erling herdaria apenas seis pontos de Experiencia no primeiro caso , e cinco no segundo .

As circunstancias em que o Heroi sai do jogo inodificam a quanlidade de Experiencia Herdada por seu sucessor.

120

.

'

Mestre e os jogadores devem levar em considera ao as circunstancias do falecimento do aventureiro e decidir se a situa ao condiz com o que Tolkien via como uma morte realmente Heroica : nao o resultado da imprudencia ou da obsessao va com o renome e a honra , e sim o sacrificio de um individuo que luta para proteger ou salvar outras pessoas .

^

VlEROlSMO — [...] nao

>

espaba brtlhante por 5ua cuyibeza, netn a flccha por iua rapibez, nem o uerreiro por sua gloria. So atno acjuilo
UM Anel Livro do Mestre OCR

Related documents

146 Pages • 68,330 Words • PDF • 85.5 MB

22 Pages • 3 Words • PDF • 9.1 MB

60 Pages • 25,047 Words • PDF • 1.2 MB

113 Pages • 41,063 Words • PDF • 557.4 KB

187 Pages • 69,501 Words • PDF • 655.2 KB

226 Pages • 137,085 Words • PDF • 29.4 MB

4 Pages • 880 Words • PDF • 390.3 KB

1 Pages • 349 Words • PDF • 48.4 KB

59 Pages • 8,552 Words • PDF • 707.8 KB

135 Pages • 40,213 Words • PDF • 2.2 MB

2 Pages • 1,803 Words • PDF • 70.1 KB